VIAGEM VI

viagem-vi

Com o “Filósofo” a história foi diferente, mas em semelhante viagem: Projeto Rondon no norte de Minas Gerais.

Ele contou que depois de viajarem algumas horas, já com alguns tijolos expirados – devido à poeira na estrada -, a dor nas costas e quase um mal humor, ao que ele não era dado, conseguiu dormir um pouco;

Sonhou com alguma coisa, não sabe mais o que, nem onde e a jardineira comia pó pelo sertão. O calor insuportável fazia com que todos do veículo se sentissem um pouco nauseados e cansados de tanto tempo perdido no caminho.

Talvez a vida não seja tão dura para os habitantes daquela região que só conhecem aquele tipo de vida…

Sol do norte de Minas, sacolejar do ônibus, mal estar, sonolência…

O “Filo” foi acordado com a parada do veículo no meio do nada. Olhou para fora  e viu um posto de gasolina, nenhuma casa, talvez nenhum ser humano. Procurou, não viu, esperou  e, de repente, viu entrar pelo ônibus o auxiliar de viagem com uma pá cheia de terra.

Ele ainda pensou: Ele está entrando com uma pá de terra, não está saindo. Que isso?

Levantou-se ante a passagem do rapaz e acompanhou-o com os olhos. No penúltimo banco, a mãe de uma criança de mais ou menos sete anos de idade se levantou e o trocador jogou a terra em cima do vomitado da criança que aí, fedia.

Olhou pra frente, empunhou a pá como uma espingarda e gritou:

– Aí, “motô”, pode continuar a “viagem”!

Anúncios

3 comentários em “VIAGEM VI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s